Associadas | Câncer de mama
- - -
Home > Notícias > FEMAMA participa de audiência pública no Senado sobre alteração nas leis dos planos de saúde

 

FEMAMA participa de audiência pública no Senado sobre alteração nas leis dos planos de saúde

 

15/12/2011

Favorável. Foi dessa forma que a Tesoureira da FEMAMA (Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama), Virginia Marta Magrini, resumiu a sensação sobre a audiência pública na qual participou durante esta quinta-feira (15). O encontro, promovido pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS), tratou sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) 352/11, que visa alterar a lei dos planos de saúde e com isso proporcionar aos pacientes com câncer o acesso aos quimioterápicos orais pelos planos privados de saúde. ?Com exceção do representante dos Planos de Saúde, todos que participaram da audiência se mostraram favoráveis ao projeto?, celebrou Virginia.

Segundo ela, o relator do projeto, senador Waldemir Moka (PMDB-MS), teria afirmado que seu relatório está pronto e que ele é favorável ao PLS. Portanto, o texto deve ser enviado para a aprovação no Senado. Entretanto, um dos pontos levantados pela própria autora, a senadora Ana Amélia (PP-RS), e que causou grande discussão foi sobre o fracionamento dos medicamentos (por doses). Ficou definido que essa ação só poderá ser realizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Outro ponto que causou bastante polêmica foi sobre a necessidade de regular a prescrição das medicações, o que também deverá ser acompanhado pela Anvisa e só poderá ser feito por especialistas, em cada um dos ciclos do tratamento, no caso da quimioterapia.

De acordo com a representante da FEMAMA, que também é uma vitoriosa do câncer de mama, com a aprovação desse projeto a grande vantagem é que os pacientes não vão mais precisar ficar em hospitais, com o risco de contrair infecções, o que pode agravar a doença. Além disso, Virginia observa que, as pessoas que tiverem a possibilidade de fazer o tratamento em casa, serão submetidas a um tratamento mais leve, com efeitos colaterais mais amenos. ?Muitos também vão poder ficar perto da família, que geralmente não acompanha as quimioterapias por não ter dinheiro para viajar a outras localidades?, acrescenta.

  • Ana Valéria Escolástico Mendonça, Senadora Ana Amélia Lemos e Virginia Magrini
  • Virginia Magrini e Senador Moka

 


Compartilhe:

Mais notícias