Associadas | Câncer de mama
- - -
Home > Notícias > FEMAMA lança movimento Outubro Rosa 2012

 

FEMAMA lança movimento Outubro Rosa 2012

 

 Outubro Rosa 2012

Outubro Rosa 2012

01/10/2012

A FEMAMA, Federao Brasileira de Instituies Filantrpicas de Apoio Sade da Mama, lana hoje, nacionalmente, o movimento Outubro Rosa 2012. A mobilizao mundial smbolo da luta contra o cncer de mama foi trazida para o Brasil em 2008, pela FEMAMA, e visa conscientizar a populao sobre a importncia da deteco precoce da doena para reduo da mortalidade.


Este ano, alm de falar sobre o diagnstico precoce, a FEMAMA destaca a importncia do governo brasileiro em investir no acesso gil a tratamentos adequados s pacientes com cncer de mama. ?O cuidado, acolhimento e engajamento das pacientes e de seus familiares na causa cor de rosa o foco da campanha desse ano que ressalta o papel destas batalhadoras?, afirma Maira Caleffi, mdica mastologista e presidente da FEMAMA.


Mais uma vez, a FEMAMA promover a iluminao de prdios e monumentos histricos na cor rosa, como o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, e o Congresso Nacional, em Braslia. Ao longo do ms, por meio de suas 57 ONGs associadas em todo o pas, conduzir mais de 200 mobilizaes, entre caminhadas, eventos beneficentes e aes regionais.


Com o conceito ?Todo dia uma vitria contra o cncer de mama?, ir ao ar na segunda quinzena de outubro um novo site: www.femama.org.br/batalhadoras. Desenvolvido pela G2 Brasil especialmente para o movimento, o portal alerta para a luta diria de milhares de pacientes e apresenta informaes. Alm de ferramentas teis para enfrentar a doena e depoimentos de mulheres que esto ou estiveram em tratamento. ?Nada melhor do que mostrar a fora dessas guerreiras para mobilizar cada vez mais a sociedade e criar uma rede de apoio e compartilhamento durante um momento de extrema dificuldade?, afirma Srgio Brando, CEO e Presidente da G2 Brasil.


Na edio 2012 do Outubro Rosa, a FEMAMA conta com os seguintes parceiros: Nestl Purina Cat Chow, Roche, G2 Brasil, Instituto Avon, Novartis, American Cancer Society, Azul Linhas Areas, Jorge Scherer Fotgrafos, lQdi t Image, Petit Jolie, Condor e Grupo LAMG.


Polticas pblicas
O cncer de mama hoje o tipo de cncer que mais mata mulheres no Brasil. Para 2012 as estimativas do Instituto Nacional do Cncer (INCA) so de 52 mil novos casos de cncer de mama diagnosticados no pas e aproximadamente 13 mil mulheres sero vtimas fatais, o que significa que mais de 30 mulheres morrem por dia em decorrncia da doena.


Desde sua criao, a FEMAMA luta para mudar essa realidade. Um dos pilares de atuao defender uma melhor cobertura mamogrfica no Brasil, para a deteco precoce da doena. Outro ponto-chave garantir o acesso rpido a tratamentos adequados para o cncer de mama pelo Sistema nico de Sade (SUS) e nesse campo, 2012 foi um ano de grandes conquistas.


Em julho, o Ministrio da Sade anunciou oficialmente a incorporao do medicamento trastuzumabe no SUS para o tratamento adjuvante do cncer de mama. O medicamento tem grande impacto na sobrevida de pacientes HER2-positivo, um tipo de cncer agressivo. J o projeto de lei 2.784/08, que prev a realizao, sempre que possvel, da reconstruo da mama pelo SUS no mesmo tempo cirrgico da mastectomia, foi aprovado dia 12 de setembro, pelo Senado, e agora aguarda retorno da Mesa Diretora da Cmara dos Deputados. E o projeto de lei 3887/97, que prev o prazo mximo de 60 dias entre o diagnstico e o incio do tratamento adequado foi aprovado pela Cmara no ms de junho, e est em anlise do Senado.


Alm disso, outras duas lutas da Femama so a iseno de IPI na aquisio de veculos adaptados para pessoas que tenham sido submetidas remoo total ou parcial de gnglios axilares, e o fornecimento pelo SUS e planos de sade de quimioterapia oral durante os tratamentos. ?O comprometimento de governos com as polticas pblicas relacionadas ao cncer de mama est na base da nossa mobilizao. A legislao brasileira precisa acompanhar as inovaes tecnolgicas em Sade pblica e privada, trabalhando para que o cncer de mama mate menos mulheres no pas?, completa Maira Caleffi.



Compartilhe:

Mais notícias