Associadas | Câncer de mama
- - -
Home > Notícias > Principais resultados da 66ª Assembleia Mundial da Saúde sobre o controle das doenças não transmissíveis.

 

Principais resultados da 66ª Assembleia Mundial da Saúde sobre o controle das doenças não transmissíveis.

 

66 Assembleia Mundial da Sade

66ª Assembleia Mundial da Saúde

04/06/2013
No dia 27 de maio, a 66 ª Assembléia Mundial da Saúde (WHA), realizada em Genebra, os Estados-Membros apoiaram e aprovaram por unanimidade uma resolução geral sobre doenças não transmissíveis. Esta resolução inovadora atende aos compromissos assumidos na Declaração Política das Nações Unidas sobre a Prevenção e Controle de doenças não transmissíveis, e implica num consenso sobre os três pilares da estratégia geral do controle de doenças não transmissíveis: ação, responsabilidade e coordenação.

Breve histórico:

Em 2011: aprovação da Declaração Política das Nações Unidas sobre a Prevenção e Controle de doenças não transmissíveis (diabetes, doenças cardíacas e acidente vascular cerebral, doenças respiratórias crônicas e câncer que, juntos, matam cerca de 30 milhões de pessoas ao ano).

Em 2012: proposta mundial da adoção de uma meta global de redução da mortalidade por doenças não transmissíveis em 25% até 2025.

Em 2013: temos assegurado os fundamentos do controle global de doenças não transmissíveis em todo o mundo para acelerar o progresso no controle das DCNT.

Principais decisões na resolução:

 * Apoiar o plano de ação global da OMS para a prevenção e controle de doenças não transmissíveis 2013-2020;

 * Adotar a estrutura de monitoramento global de doenças não transmissíveis, incluindo 9 metas globais e 25 indicadores;

 * Desenvolver um mecanismo de coordenação mundial no final de 2013, para coordenar as atividades e promover a participação de todos os interessados na resposta global às DCNT.

A resolução também inclui outras recomendações notáveis e descreve uma série de processos de monitoramento junto a OMS, a saber:

 * Desenvolver termos de referência para o mecanismo de coordenação global através de consultas informais com os Estados-Membros, agências da ONU, ONGs e do setor privado, conforme o caso, seguida de uma consulta formal dos Estados, em novembro de 2013;

 * O desenvolvimento de indicadores do plano de ação para informar os relatórios dos progressos no controle de doenças não transmissíveis e facilitar a implementação dos 6 objetivos do plano de ação, a ser submetido à Assembleia Mundial da Saúde em 2014, após a aprovação pelo Conselho Executivo da OMS;

 * Atualização do Apêndice 3 do plano de ação global, à luz das novas provas científicas a serem consideradas pela Assembleia Mundial de Saúde, através do Conselho Executivo;

 * Relatório sobre os progressos realizados na implementação do plano de ação em 2016, 2018 e 2021, e sobre os progressos alcançados na realização dos objetivos globais de setembro de 2016, 2021 e 2026;

 * Fornecer apoio técnico aos Estados-Membros para implementar o plano de ação global, estabelecer ou reforçar a vigilância nacional e participar / colaborar com os setores do governo que não são de saúde e atores não-estatais;

 * Recomendar a formalização de um Grupo de Trabalho da DCNT ONU em julho de 2013 para reforçar a resposta conjunta da ONU e para intensificar o apoio global para DCNT.

Indicamos a leitura da Declaração da NCD Alliance, da Resolução Geral sobre DCNT e das Correções do Apêndice Anexo 3 do plano de ação (http://www.ncdalliance.org/news/major-victory-world-health-assembly-ncds).
Em carta às organizações que apoiam o movimento das DCNT (Doenças Cronicas Não Transmissíveis), o Dr. Eduardo Bianco, médico cardiologista uruguaio e uma das lideranças participantes, relata sobre esta importante conquista.

“Agora, a nível internacional, a ação se move para o nacional, e passa a ser nossa responsabilidade. Eu acho que é hora de fazer uma mudança, e reviver o entusiasmo demonstrado em 2011. Esta é uma oportunidade histórica, que não pode e nem deve falhar. Vamos celebrar esta grande vitória, os nossos esforços coletivos têm lançado os alicerces para uma fase rápida de ação global e nacional para reduzir mortes por doenças não transmissíveis evitáveis e salvar milhões de vidas. Juntos nós podemos!”


Compartilhe:

Mais notícias