Associadas | Câncer de mama
- - -
Home > Notícias > FEMAMA PARTICIPA DO WORKSHOP DESAFIOS DO CÂNCER DE MAMA AVANÇADO

 

FEMAMA PARTICIPA DO WORKSHOP DESAFIOS DO CÂNCER DE MAMA AVANÇADO

 

Workshop Desafios do Cncer de Mama Avanado.

Workshop Desafios do Câncer de Mama Avançado.

24/06/2013

A Femama (Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama) participou no dia 21 de junho do Workshop “Desafios do Câncer de Mama”, que aconteceu durante o II Simpósio Internacional de Câncer de Mama em São Paulo (SP), promovido pela Novartis Oncologia. No evento foram apresentados os resultados da pesquisa Count Us, Know Us, Join Us (Conte-nos, Conheça-Nos, Junte-se a Nós), a primeira entre pacientes com câncer de mama em estadio avançado, realizada com 1.273 mulheres em doze países, incluindo o Brasil. A pesquisa foi conduzida via internet pela Harris Interactive, encomendada pela Novartis Oncologia e com o apoio da Femama, AMUCC, Instituto Oncoguia e Instituto Espaço de Vida.

No Brasil, a pesquisa aponta que 49% das mulheres com câncer de mama avançado têm sentimento de incompreensão, já que poucos entendem o que elas passam por conta da doença. A desinformação também é um fator preocupante: 80% delas sentem que faltam materiais informativos com dados gerais e adequados sobre o câncer de mama metastático ou avançado; e 91% das brasileiras acreditam que a existência e o acesso a informações direcionadas ajudaria seus familiares e amigos a compreenderem melhor a doença.

No debate mediado pela Dra. Maira Caleffi, médica mastologista e presidente da Femama, a paciente Laís Barbosa deu depoimento sobre as dificuldades que enfrenta por conta do câncer de mama avançado. “Tive câncer de mama em 2003, fiz todo o tratamento e estava curada. Porém, oito anos depois, ele voltou e foi muito mais difícil aceitar. Eu tinha duas escolhas: entregar-me ou lutar pela minha cura. E eu decidi lutar por mim e por outras mulheres que também sofrem dessa doença.”

De acordo com Dra. Maira, o estadio avançado/metastático acontece em 31% das pacientes diagnosticadas com câncer de mama. “Precisamos nos dedicar cada vez mais para um tratamento digno dessas pacientes, apoiá-las e oferecer mais informações a toda sociedade”, ressalta.

Durante o evento também foi lançada a campanha #OTempoCorreContra, criada pela G2 Brasil, em favor da Lei dos 60 Dias. A lei entrou em vigor no dia 23 de maio deste ano e afirma que o governo tem a obrigação de garantir, através do SUS (Sistema Único de Saúde), o início do tratamento do câncer em até 60 dias após o diagnóstico da doença.

O Workshop também contou com as presenças do Dr. Antônio Carlos Buzaid (chefe geral do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes), que comentou sobre o que é o câncer, suas causas e quais os tipos de tratamento; Dr. Rafael Kaliks (oncologista clínico do Hospital Albert Einstein e diretor científico do Instituto Oncoguia), que explicou o que é o câncer metastático e quais os riscos da recidiva (reincidência da doença após algum tempo da suposta cura); e o Dr. Otávio Clark (oncologista e diretor de Evidências e Credibilidade Científicas), que falou sobre a importância das drogas orais no tratamento do câncer versus o custo-benefício das mesmas.

A segunda parte do evento, conduzida por Alessandra Durstine, consultora internacional de Direitos de Pacientes, reuniu instituições filantrópicas de todo o Brasil, incluindo Associadas Femama, no Fórum de Discussão sobre os Desafios e Prioridades das Mulheres com Câncer de Mama avançado.

Além da apresentação da pesquisa Count Us, Know Us, Join Us, as instituições assistiram à apresentação da Dra. Maira Caleffi, com o tema “Desafios para Mulheres com Câncer de Mama Avançado”, que pontuou de maneira aprofundada o que é a linha de cuidado no câncer. “Estão claras as necessidades urgentes de médicos mais preparados para atender estes pacientes e do acesso a medicamentos de alta qualidade”, destaca Dra. Maira.

Uma das principais conclusões é a de que médicos, familiares e pacientes ainda possuem uma resistência em assumir ou falar claramente quando se trata de câncer metastático. “É necessário vencer a discriminação e conscientizar-se de que o problema deve ser tratado com clareza e muita informação”, reforça Caleffi.

O Fórum contou ainda com o debate sobre Responsabilidade Compartilhada para dar voz a Pacientes de Câncer de Mama Avançado que teve a participação do Dr. José Getúlio Martins Segalla, presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, que discorreu sobre a reponsabilidade da comunidade médica; Luciana Holtz, do Instituto Oncoguia, representou a sociedade civil destacando a importância da mobilização para a melhoria de acesso e tratamento e a jornalista Jacqueline Falcão, de O Globo, que ressaltou por quais caminhos a mídia pode apoiar e ajudar a conscientização sobre o cenário do câncer de mama no Brasil.

Para encerrar Leoni Simm, representante da AMUCC – Associação Brasileira de Portadores de Câncer - fez o convite a todas as instituições presentes para assinarem o Compromisso com Mulheres com Câncer de Mama Avançado.


Compartilhe:

Mais notícias