A importância do fortalecimento das parcerias entre médicos e ONGs

23.11.2018

As ONGs e associações de pacientes de câncer de mama prestam um grande serviço à sociedade e, especialmente, às pessoas que lutam contra essa doença e seus familiares. Mas esse trabalho necessita de uma parceria fundamental para ter qualidade e relevância: os médicos especialistas.

Através de um trabalho conjunto, esses profissionais da saúde colaboram fornecendo informações e respaldando as ações das organizações através dos conselhos científicos, por exemplo. O Conselho Científico é um órgão de especialistas de referência em suas áreas que respaldam técnica e cientificamente as ações de uma instituição.

Dessa forma, as ONGs conseguem oferecer materiais educativos, palestras e seminários com dados relevantes, confiáveis, baseados em pesquisas científicas e também na experiência de atendimento desses profissionais, com dados da vida real.
Além disso, os médicos contribuem auxiliando as ONGs e associações a identificarem onde estão as lacunas de acesso ao diagnóstico e tratamento do câncer, que podem gerar demandas para atuação dessas instituições. É preciso saber avaliar quais medidas terão realmente impacto para quem está sofrendo com a doença.

A mobilização da FEMAMA e de diversas organizações pelo cumprimento das Lei dos 60 dias, Lei da Reconstituição Mamária e da disponibilização da mamografia a partir dos 40 anos são bons exemplos de frutos dessa parceria. Nesses casos, além da contribuição na avaliação da relevância das propostas, os médicos ajudaram a apoiar esses pedidos das organizações frente a políticos, imprensa, influenciadores e a sociedade civil palestrando em eventos, por exemplo.
Esses profissionais têm como retorno dessa atividade contribuir para a melhoria dos sistemas de saúde, um maior impacto social do seu trabalho e a divulgação que recebem com as ações das organizações.

O contato com as pacientes também contribui para que eles tenham conhecimento do que efetivamente está sendo disponibilizado de tratamentos e exames, quais protocolos estão sendo seguidos e se há falhas nos atendimentos. Essas informações podem servir como base para que as organizações criem novas mobilizações e campanhas.

Apesar de todos os benefícios dessa parceria, muitas ONGs ainda não contam com apoio de médicos. Segundo o Dr. Roberto Caponero, presidente do Conselho Científico da FEMAMA, a pulverização dessa parceria é um desafio, mas que pode ser superado. “Esse tipo de colaboração funciona muito bem em diversas ONGs. Entretanto, pode-se perceber uma dificuldade das menores contarem com esse tipo de apoio. A associação com organizações maiores, como a FEMAMA, pode ajudá-las a mobilizar esses profissionais”, afirmou.

O importante é que as ONGs e associações busquem essas parcerias e os médicos contribuam a relevância desse trabalho, não só para a instituição onde estiverem atuando, mas para as pacientes que passam a contar com um auxílio mais qualificado e para a sociedade em geral que se beneficia do fortalecimento das políticas públicas na área da saúde.

Esse é um dos temas a serem debatidos no V Fórum de Combate ao Câncer da Mulher, evento da #FEMAMA que acontece nos dias 29 e 30 de novembro, em São Paulo. Confira a programação completa e inscreva-se até 28/11 em: http://bit.ly/2SSJz9v.