Glossário do câncer de mama

17.10.2017

Anticorpos monoclonais:
são como proteínas, mas feitas em laboratório e depois introduzidas no seu corpo. Fazem com que as células do câncer parem de crescer ao impedir que as proteínas funcionem normalmente. Não danificam as células saudáveis.

Antitranspirantes:
desodorantes que podem evitar a transpiração.

Aréola:
a área escura ao redor do mamilo.

Autoexame da mama:
modo pelo qual as mulheres checam se há alterações em suas mamas. Os médicos e as enfermeiras podem ensinar às mulheres como fazer isto.

Benigno:
que não é câncer. Um tumor pode ser um câncer ou ser benigno. Nem todos os caroços ou tumores são cânceres;alguns deles são benignos.

Biópsia:
remoção de amostras de um tecido, como, por exemplo, um nódulo da mama. Os médicos examinam a amostra do tecido e as células sob um microscópio para descobrir se a pessoa tem câncer.

Câncer:
células que mudam e crescem fora de controle. As células saudáveis no corpo crescem, formam novas células e morrem depois. Mas as células do câncer continuam crescendo, formando novas células e se espalhando pelo corpo. Elas não morrem como as outras células.

Câncer de mama:
câncer que começa na mama. As células de câncer na mama crescem e formam novas células, sem parar dese reproduzir ou morrer, como fazem as células saudáveis.

Célula:
todas as coisas vivas, desde plantas a animais, são feitas de pequenas células.

Cirurgia conservadora:
remover uma massa tumoral e uma parte da mama, mas não a mama inteira.

Diagnóstico:
quando o médico descobre que você tem câncer.

Efeitos colaterais:
coisas indesejadas que acontecem por causa do tratamento, como perda de cabelo por causa da quimioterapia ou cansaço provocado pela radioterapia.

Estágios do câncer:
quanto o câncer está presente no corpo e quanto ele já se espalhou. Os médicos usam um código de letras e números para descrever quanto o câncer já se espalhou pelo organismo.

Fadiga:
sensação de cansaço causada pelo tratamento de câncer, diferente daquela que se sente por não ter dormido o bastante. É como se seu cérebro, corpo e emoções estivessem cansados. É o efeito colateral mais comum do tratamento de câncer.

Fatores de risco:
condições que predispõem ao crescimento do câncer. Você pode ou não ter controle dessas condições.

Grau de câncer:
o câncer de mama tem um grau de 1 a 3, sendo que 1 é o menos grave e 3, o mais sério. Esses números representam o grau de comprometimento de seu organismo em relação ao câncer.

Hormônio:
substância química liberada no corpo pelo sistema endócrino. Os hormônios se deslocam no sangue e deflagram no corpo certas funções. Testosterona e estrógeno são exemplos de hormônios masculinos e femininos. Certos tipos de câncer de mama precisam de hormônios para crescer.

Implante de mama:
um acolchoado preenchido com água salina ou gel de silicone, no formato do seu seio, colocado sob a pele onde o tecido da mama foi removido.

Linfedema:
acúmulo do líquido linfático que faz seu braço ficar inchado.

Maligno:
indica que você tem câncer.

Mamografia:
forma de visualização do interior da mama a partir do uso de raios-x.

Mastectomia:
remoção de uma ou ambas as mamas (neste caso, chamada mastectomia dupla).

Menopausa:
quando a mulher para de menstruar e seu corpo para de fabricar hormônios.

Metástase:
quando as células de câncer se desprendem da área onde foram geradas e se espalham para outras regiões do corpo.

Náusea:
sensação de enjoo e vontade de vomitar.

Nódulos linfáticos:
pequenas áreas de tecido que ajudam a combater as infecções no corpo. O câncer pode se espalhar no corpo através dos nódulos linfáticos. Os médicos podem remover alguns nódulos linfáticos para saber se há câncer neles.

Oncologista:
médico especializado em tratar pessoas com câncer.

Procedimento de retalho:
reconstrução da mama, na qual o médico usa um tecido de outra parte de seu corpo para tentar reproduzir a forma do seio. O tecido pode vir do seu abdome, costas, quadril ou nádegas.

Prognóstico:
como os médicos pensam que o câncer vai se desenvolver e quais as chances de você se recuperar.

Proteínas:
entre outras coisas, ajudam a pessoa a crescer, a reparar lesões e a permanecer saudável.

Prótese mamária:
acolchoado com forma de seio ou parte de um seio que pode ser usado dentro do sutiã para preenchê-lo, depois da cirurgia de mama.

Quimioterapia:
drogas que matam as células de câncer e são colocadas no corpo por meio de injeções ou ingeridas como pílulas. Elas detêm o processo de crescimento e divisão das células quando estão dentro do corpo.

Radioterapia:
tratamento com raios-x especiais que matam ou encolhem as células de câncer. Uma máquina especial aponta os raios-x para o câncer visando matar ou danificar as células doentes. Às vezes são colocados pequenos grãos dentro do corpo onde o câncer se localiza ou usa-se uma agulha para introduzir material radioativo até a parte onde o câncer se encontra.

Raios-x:
baixos níveis de radiação podem tirar uma imagem do interior de seu corpo. Os raios-x são usados em mamografias. Altos níveis de raios-x podem ser usados em radioterapia para matar as células de câncer.

Recidiva:
câncer que volta depois do tratamento.

Reconstrução de mama:
cirurgia que pode reconstruir o formato do seio de uma mulher, incluindo mamilo e aréola.

Reconstrução do mamilo:
um tipo de reconstrução da mama, em que o tecido para o mamilo e aréola é tirado do corpo do paciente, geralmente da área inguinal, e moldado na forma de um mamilo.Também pode ser feita utilizando-se pequenos retalhos unidos da pele da mama reconstruída para formar o mamilo. Às vezes, os médicos utilizam a técnica de tatuagem para criar a aréola e combinar um mamilo com o outro.

Relatório de patologia:
um relatório que explica o seu tipo de câncer de mama, o tamanho do tumor e a rapidez de seu crescimento. Os médicos fazem esse relatório com base no que veem quando examinam o tecido sob o microscópio. Eles usam esse relatório como um guia para ajudar a planejar como irão tratar o seu câncer.

Remissão:
quando os exames não mostram sinais do câncer após o tratamento.

Suplemento:
vitaminas ou minerais que não vêm dos alimentos, mas em comprimidos, por exemplo, e que são ingeridos pelo paciente para ajudá-lo a enfrentar melhor o câncer de mama.

Tecido:
células que trabalham juntas para realizar certas funções em seu corpo.

Terapia de conservação da mama:
tratamento cuja meta é salvar ou conservar a mama; envolve fazer uma cirurgia conservadora e radiação.

Terapia de reposição hormonal (TRH):
ingestão de hormônios depois que você passou pela menopausa, quando seu corpo para de fabricar hormônios.

Terapia hormonal:
tratamento de câncer com hormônios ou com drogas que interferem na produção ou ações dos hormônios. Não é o mesmo que a terapia de reposição hormonal. A terapia hormonal também pode incluir cirurgia para retirar glândulas produtoras de hormônios. A terapia hormonal pode matar as células do câncer ou reduzir o seu crescimento.

Tratamentos alternativos:
terapias ou qualquer coisa que alguém afirme ser capaz de curar o câncer, quando, na verdade, sua eficácia não foi comprovada. Podem ser potentes e causar ferimentos,por não terem sido testados cientificamente.

Tumor:
células que formam um caroço em seu corpo. Alguns tumores são câncer e outros não.