04.12.2019

ABAMI do Litoral (RS) aciona deputado federal para sugerir projeto de lei sobre testes genéticos no SUS

A Associação Beneficente Amigas da Mama do Litoral (ABAMI do Litoral), ONG associada à FEMAMA em Imbé (RS), procurou a equipe do deputado federal gaúcho Márcio Biolchi para requerer a apresentação de um projeto de lei sobre testes genéticos no SUS. O encontro aconteceu em Porto Alegre, na segunda-feira (02/12). Caso o projeto seja de fato apresentado, tramite no Congresso e vire lei, o SUS pode assegurar a realização de teste de mapeamento genético para mulheres que forem classificadas em laudo médico com elevado risco de desenvolver câncer de mama.

A presidente da instituição, Daiana Gonzalez Esquici Godoy, e o vice-presidente, Paulo Godoy Filho, os quais foram recebidos pela Chefe de Gabinete do deputado, Cristiane Lohmann e pelo assessor Galileu Oldenburg. Eles se comprometeram a levar a sugestão de projeto de lei ao deputado.

O câncer hereditário está associado aos genes BRCA1 e BRCA2, que são responsáveis pela incidência de 5 a 10% dos casos de câncer de mama e uma em cada cinco mulheres com câncer de ovário também apresenta uma mutação hereditária, sendo o BRCA a mutação mais comum. A alteração nos genes pode ser comprovada através de exames genéticos em pessoas elegíveis para o teste.

A confirmação sobre a presença de mutação genética, comprovada através de exames genéticos, permite a adoção de medidas preventivas à manifestação do câncer, que devem ser discutidas com o médico, como a quimioprevenção ou a retirada cirúrgica das mamas e ovários. Conhecer a mutação dá a oportunidade a outros membros da família que podem carregar a mesma alteração analisar a necessidade de adotarem medidas profiláticas. Esse tipo de teste já consta no rol de procedimentos mínimos para beneficiários de planos de saúde, mas apenas 1/4 da população brasileira tem acesso à saúde suplementar. 

Na ocasião do V Fórum de Combate ao Câncer da Mulher, realizada em São Paulo (SP) nos dias 7 e 8 de novembro, a FEMAMA e sua rede de ONGs associadas elencaram como uma das prioridades de trabalho para 2020 a inclusão de testes genéticos relativos ao câncer no SUS.

O câncer de mama, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres, depois do câncer de pele não melanoma. No Brasil, anualmente, ocorrem quase 60 mil novos casos da doença e 10 a 15% são hereditários.

  • Foto: Daiana Godoy