A micropigmentação tem se tornado tendência, principalmente entre mulheres que querem aperfeiçoar traços do rosto, como sobrancelhas, lábios ou contorno dos olhos. Mas muito além da estética, esse procedimento é um forte aliado na recuperação de mulheres que enfrentaram o câncer de mama, e como consequência, a perda de um, ou até dos dois mamilos. Trata-se da micropigmentação paramédica, técnica utilizada para reconstruir ou aprimorar o aspecto visual da aréola e mamilo, além de disfarçar cicatrizes após mastectomias ou cirurgias plásticas estéticas e reparadoras.

“Essa é considerada a última etapa nesse processo tão doloroso que é a luta contra o câncer de mama. É o ponto final depois de inúmeras quimioterapias, perda de cabelo e perda das mamas. É a recuperação da aparência de uma parte do corpo muito significativa para as mulheres, por isso, significa também o recomeço de uma nova vida”, aponta Aline Martins, especializada em micropigmentação paramédica.

A micropigmentação atinge a derme superficial da pele. “Utilizamos agulhas e pigmentos variados. Eles são implantados simulando sombras e texturas, dando um efeito realista”, aponta Andressa Martins, irmã de Aline que também é especialista na técnica em micropigmentação. O segredo é fazer com que o trabalho permita que as duas mamas fiquem o mais parecidas possível, por isso, em muitos casos, mesmo que o procedimento seja necessário em apenas uma delas, é importante fazer nas duas, igualando tons. Assim, o resultado fica ainda melhor.

Para um efeito perfeito é importante que o procedimento seja realizado por um profissional qualificado, que saiba fazer uso das técnicas necessárias para dar a aparência de realidade ao desenho. “Algumas pacientes querem recuperar a aparência que tinham antes da mastectomia, outras preferem um desenho menor, com um tom de pele diferente. O objetivo é chegar ao tão esperado efeito realista e contribuir para a autoestima dessas mulheres”, esclarece Aline que também já passou pela luta contra o câncer e sabe como esse momento pode ser emocionante.

A profissional que trabalhava como designer de interiores, se aproximou da atual profissão depois de passar pela perda das mamas. “Durante o meu tratamento foi muito difícil enfrentar as mudanças, são golpes muito duros para a nossa autoestima. Por isso, decidi mudar de área e me dedicar à micropigmentação paramédica, o que para mim, tem sido muito gratificante. Sei como essa etapa é importante na retomada da autoconfiança das pacientes”, afirma Aline.

 

Motivação

É comum que pacientes que já passaram pelo doloroso processo da mastectomia não queiram fazer a reconstrução do mamilo por meio cirúrgico, com enxerto, já que há também há o risco de necrose. Portanto, a micropigmentação surge como alternativa para essas mulheres. Kátia Santana, paciente que venceu a luta contra um câncer de mama, já havia decidido manter o seio sem mamilo, até que optou pela micropigmentação e se surpreendeu com o resultado.

“Na véspera da mastectomia, eu tive medo de não aceitar meu novo corpo. Temi me deprimir por causa da falta do mamilo no seio em que a doença foi detectada. Quando coloquei o silicone fiquei feliz com o resultado, e me apeguei ao seio sem mamilo. Até que conheci a Aline em um evento do outubro rosa, onde fotografamos nossas cicatrizes. Ela também teve câncer de mama e ao me ver seminua disse que gostaria de fazer os meus mamilos. Abri meu coração e decidi que estava na hora de dar esse passo, e que seria incrível fazer isso com alguém que entenderia o quanto aquele momento era especial e importante. Foi indescritível a emoção de me olhar completa de novo. Chorei quando vi parte do trabalho pronto, e chorei ao me olhar no espelho”, relembra Kátia.

As irmãs Andressa e Aline embarcaram na atividade movidas pela motivação presenciada em casos como o de Kátia. A parceria entre as duas ultrapassou o campo familiar e há cerca de um ano deram início a um novo modelo de negócio: a Umanas Micropigmentação. Além dos atendimentos convencionais, as irmãs atendem também pacientes que não têm a possibilidade de arcar com os custos do procedimento. Para esses casos, as especialistas reservam um atendimento no mês.

 

Fonte: Ao Vivo de Brasília, 09/01/2019