14.03.2019

Recomeçar participa da criação de frente parlamentar da luta contra o câncer no Congresso Nacional

A Recomeçar – Associação de Mulheres Mastectomizadas de Brasília, ONG associada à FEMAMA em Brasília (DF), participou, na manhã de quarta-feira (13/03) do lançamento da Frente Parlamentar em Prol da Luta contra o Câncer do Congresso Nacional, para tentar enfrentar as várias dificuldades de diagnóstico e tratamento da doença no Brasil. A Frente será presidida pela deputada Silvia Cristina (RO), ex-paciente de câncer de mama e coordenada pela deputada Carmen Zanotto (SC).

Um grande número de mulheres sobreviventes do câncer de mama acompanhou a instituição, vestidas com a camiseta da campanha do PLC 143/2018. A presidente da Recomeçar, Joana Jeker dos Anjos, teve oportunidade de fala e destacou a luta pela aprovação no Congresso Nacional do PLC 143/2018 (popularmente conhecido como PLC dos 30 dias), pauta trabalhada juntamente com a FEMAMA desde 2016. O projeto determina o prazo máximo de 30 dias para que a suspeita de câncer seja confirmada por biópsia no Sistema Único de Saúde (SUS).

A Frente Parlamentar

Uma das prioridades da Frente, de acordo com a deputada Silvia Cristina, é incentivar a pesquisa de novos medicamentos. Ex-paciente de câncer de mama, ela se preocupa também com as barreiras que moradores do seu estado, Rondônia, e da região amazônica em geral, costumam enfrentar.

“Nós ainda temos dificuldade de acesso à radioterapia, as filas ainda são grandes, já tivemos muitas dificuldades de leitos, mas especialmente na Região Norte, à qual eu represento, nós temos ainda muitas dificuldades com relação a diagnóstico e prevenção. Esses exames não chegam com a rapidez que deveriam chegar para que a pessoa descubra [o câncer] em estágio hábil para iniciar um tratamento”, disse.

Durante o lançamento da frente parlamentar, a deputada Silvia Cristina também propôs a criação de uma comissão permanente da Câmara para tratar exclusivamente dos assuntos de saúde, que hoje estão na esfera da Comissão de Seguridade Social e Família.

O PLC dos 30 Dias

O projeto de lei já passou pela Câmara dos Deputados e está sendo analisado pelo Senado. De acordo com ele, um relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) aponta que 60% dos diagnósticos de câncer no SUS são feitos quando a doença já está em fase avançada ou na fase de metástase, resultando em tratamentos mais longos, mais invasivos e mais caros.

“Nós sabemos que o câncer de mama tem até 95% de chance de cura quando diagnosticado no estágio inicial, estágio onde o tumor está bem pequeno, menos de um centímetro, então é fundamental para salvar muitas e muitas vidas e para também diminuir a mortalidade pelo câncer no Brasil”, observou Joana Jeker.

 

Com informações de Agência Câmara, Rádio Câmara e Recomeçar, 13/03/2019

  • Foto: Recomeçar/Divulgação