27.10.2020

Campanha da FEMAMA convoca população a aumentar possibilidades de tratamento de câncer de mama nos planos de saúde

Nos últimos anos o avanço da medicina trouxe mais qualidade de vida, melhores prognósticos, novos tratamentos e um novo olhar personalizado para o câncer de mama. 

Toda paciente é única, assim como o câncer de mama de uma pessoa é diferente do câncer de mama de outra. Cada paciente precisa de tratamentos específicos e individualizados ao seu caso, sempre tendo seus direitos assegurados durante toda a jornada de tratamento.

Sob o mote Dê mais Atenção #ELAPRECISA a FEMAMA chama a população para participar da consulta pública da ANS - Agência Nacional de Saúde Suplementar para atualização do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, a fim de incorporar novas tecnologias.

Com o objetivo de atuar em todos os momentos da jornada do paciente com a doença, a FEMAMA também luta por acesso a tratamento tanto na esfera pública quanto na privada a fim de conseguir melhores prognósticos para os pacientes.

O que existe de novo?

A proposta de ter um tratamento individualizado para cada paciente abrange as suas necessidades específicas, e é isto que propõe as novas tecnologias para câncer de mama.

Saiba quais são as tecnologias que estão sendo avaliadas para acesso nos planos de saúde:

Inibidores de CDK: As cinases dependentes de ciclina (CDKs) desempenham papel essencial na regulação da progressão do ciclo celular, permitindo a transição entre diferentes fases. 

Inibidores de PARP: Essa classe de medicamento atua inibindo enzimas associadas às mutações dos genes BRCA1 e BRCA2.

Teste 21 Genes: Com base na atividade de 21 genes oferece um diagnóstico molecular do tumor da mama. O resultado indica a probabilidade de recorrência metastática do câncer de mama no período de 10 anos, a partir do diagnóstico, e indica o beneficio ou não do uso de quimioterapia adjuvante .

Saiba mais sobre os tratamentos e como participar da campanha em demaisatencao.femama.org.br

A campanha conta com Investimento Social de AstraZeneca, Grupo Fleury, Instituto Avon, Lilly e Novartis

  • Foto: Campanha Dê mais Atenção #ELAPRECISA